Rede dos Conselhos de Medicina
Consentimento livre e esclarecido do paciente é estimulado Imprimir E-mail
Qua, 29 de Dezembro de 2010 12:18

O Conselho Federal de Medicina reiterou em sessão plenária a importância do consentimento livre e esclarecido no exercício docente. O ensino prático para o acadêmico de medicina é incentivado pelo CFM desde que “o paciente seja devidamente informado sobre a realidade da instituição de ensino, que não seja submetido a riscos desnecessários e que existam regras quanto aos princípios do respeito à sua autonomia e da confi dencialidade das informações obtidas durante esta prática pedagógica”, concluiu parecer da entidade.

 Como regra geral, não há necessidade de se obter a autorização por escrito quando da realização de exame físico. O conselheiro relator, Jecé Brandão, recomenda ao docente que registre no prontuário que o consentimento verbal foi solicitado e obtido. “O que sempre se pede é que o professor seja competente e cuidadoso, para que nestes momentos possa exercer seu dever de assistência e ensino, com a participação do acadêmico, num clima de respeito absoluto à pessoa do paciente e sua dignidade”.

 O art. 110 do Código de Ética Médica trata sobre o assunto e obriga o médico, no exercício da docência, a obter o consentimento do paciente, zelando por sua dignidade e privacidade, sem discriminar aqueles que negarem o consentimento solicitado. Em paralelo, o art. 27 prevê o respeito ao interesse e à integridade do paciente em qualquer instituição na qual esteja recolhido, independente da própria vontade.

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner